domingo, 8 de agosto de 2010

O CULTO A DEUS


Cultuar ao Senhor implica adorá-lo, tributar-lhe voluntariamente louvores e honra. Podemos cultuá-lo de modo individual —
continuamente: “Orai sem cessar” (1 Ts 5.17) — e de maneira coletiva,
quando nos reunimos em algum lugar (templo, casa, etc.) para adorá-lo
(Mt 18.20). Em ambas as modalidades, o objetivo primário é sempre a
adoração (Jo 4.23,24), seguida do enlevo espiritual do adorador (Jr
23.19; 33.3). O culto a Deus exige exclusividade: “Ao Senhor, teu Deus,
adorarás, e só a ele darás culto” (Mt 4.10, ARA).

Infelizmente, os nossos cultos coletivos foram, ao longo do tempo, ganhando adjetivos
que evidenciam o quanto perdemos de vista o propósito primário de adorar
a Deus. Hoje, tudo no culto (culto?) é preparado para agradar as
pessoas, e não ao Senhor. E nós nos dirigimos ao templo para receber
bênçãos do Senhor, e não (prioritariamente) para oferecer-lhe a nossa
adoração. Isso é um desvio, posto que temos invertido as prioridades.

Vejamos alguns dos muitos tipos de “culto” que criamos, ao longo do tempo, para
satisfazer os nossos caprichos:

Culto de libertação. Com o intuito de atrair gente e ver os templos lotados — o que também, naturalmente, aumenta a receita da
igreja —, começamos a promover “cultos” de libertação. Ora, se o nosso
Senhor, o Libertador, está sempre presente conosco e, sobretudo, em nós,
por que precisamos de uma reunião específica de libertação? Basta-nos
cultuarmos ao nosso Libertador e pregarmos a verdade, sempre, a fim de
que haja libertação (Jo 8.32,36).

Culto de avivamento. Hoje, precisamos de reuniões específicas para Deus avivar o seu povo... Mas o verdadeiro avivamento
ocorre continuamente, como consequência da verdadeira adoração. O que
chamamos de culto de avivamento, na verdade, é uma reunião em que
crentes gritam, pulam, sapateiam, mas não amadurecem, não crescem na
graça e no conhecimento (2 Pe 3.18). Se oferecêssemos cultos a Deus, com
louvor, pregação e ensino da Palavra, haveria verdadeiro e contínuo
avivamento na igreja (Ef 5.18,19).

Culto da bênção, da vitória, das causas impossíveis, dos milagres. Como as coisas estão difíceis, hoje! Precisamos de
reuniões específicas para Deus operar! É preciso fazer campanha,
participar da tarde da bênção, da noite dos milagres... Por que não
voltamos a cultuar ao Senhor Jesus? Se fizermos isso, veremos milagres
em nosso meio, não de maneira forjada, mas como consequência de nos
humilharmos, e orarmos, e buscarmos a sua face, e nos convertermos de
nossos maus caminhos (2 Cr 7.14,15).

Culto de louvor. Esse tipo de “culto” — também conhecido, vulgarmente, como “louvorzão” — é, na verdade, um show, pelo
qual cantores e grupos se apresentam para agradar a plateia. Há pouco ou
quase nada de louvor nesse tipo de reunião, mas o povo dança e se
diverte. Já temos até imitações fajutas do Michael Jackson no nosso
meio! Podemos chamar isso de culto? Biblicamente, o culto coletivo
deveria ser de louvor (louvor, mesmo!), e não de cantoria (uma espécie
de show de calouros), dança ou qualquer outro tipo de apresentação para
agradar as pessoas.

Cultos de doutrina e da família. Não sou contra reuniões voltadas
especificamente para o ensino, como é o caso da Escola Dominical e dos
chamados cultos de doutrina. Afinal, quando estudamos a Palavra de Deus
com submissão e obediência, também estamos cultuando ao Deus da Palavra.
E, se, em nossos “cultos” de doutrina, houvesse mesmo exposição da sã
doutrina, seria uma maravilha! Mas precisamos atentar para 1 Coríntios
14.26, a fim de que haja, em nossos cultos coletivos, louvor ao Senhor,
exposição da sua Palavra e manifestação do Espírito Santo (1 Co 14.26).

Também não há problema nenhum em fazermos reuniões de aconselhamento à
família. Mas é um erro tirarmos Deus do centro, ainda que por uma causa
nobre. Precisamos, repito, olhar para o culto mencionado no Novo
Testamento, especialmente no livro de Atos. Naquele tempo, não havia
culto disso e daquilo. Todo culto era para honrar e adorar ao Senhor. E a
salvação de almas, a manifestação do Espírito, mediante os dons
espirituais, os milagres, as curas, a resolução de problemas ocorriam
naturalmente. Não era preciso fazer campanhas, de$afio$, etc.

Culto administrativo. Ora, se o culto é — por definição — para Deus, como podemos oferecer-lhe um culto
administrativo? É óbvio que esse tipo de reunião não é para glorificar
ao Senhor. Certa vez, participei de um desses “cultos”. Aliás, eu havia
sido convidado para pregar, mas um irmão usou praticamente todo o tempo
para falar dos ventiladores e microfones que a igreja tinha comprado, e
não houve exposição da Palavra! É claro que esse tipo de reunião
(administrativa) é importante, mas isso nada tem que ver com culto a
Deus.

Que Deus nos ajude a entendermos que o nosso culto coletivo é um momento especial em que nos reunimos para apresentarmos a Ele um
louvor verdadeiro, buscarmos a sua presença, em oração, e ouvirmos a sua
voz, principalmente pela sua Palavra. E que o Senhor nos ajude a não
sermos crentes que vivem de “cultos” disso e daquilo.

Conscientizemo-nos, ainda, de que o nosso culto a Deus nunca termina. Não o cultuamos
apenas no templo, de modo coletivo. Cultuemo-lo constantemente, em nossa
casa, em nosso trabalho, na faculdade, no templo, ao dormir, ao
acordar... Aliás, até dormindo (no caso dos cristãos se prezam) o
cultuamos, como lemos em Isaías 26.9 e Cantares 5.2: “Com a minha alma
te desejei de noite, e com o meu espírito, que está dentro de mim,
madrugarei a buscar-te” e “Eu dormia, mas o meu coração velava”.

Perdoa-nos, Senhor! Temos nos orgulhado do grande crescimento numérico das igrejas
evangélicas, ainda que os líderes de muitas delas não tenham nenhum
compromisso com o evangelho de Cristo. De fato, Senhor, elas estão
cheias de multidões de interesseiros. Mas temos pecado, ao não adorar a
ti em espírito e em verdade. Renova-nos, a fim de que voltemos a dar-te
culto, como nos tempos da igreja primitiva. Amém.

Quantos podem dizer “amém”?

Pr.Ciro Sanches Zibordi

Nenhum comentário:

Postar um comentário