terça-feira, 17 de agosto de 2010

A Fé Ri das Impossibilidades

por

Leonard Ravenhill





Pedro na prisão! Que abalo!

Estamos muito longe da cena real para capturar a atmosfera de horror que os Cristãos sentiram neste dia.

Pedro foi movido do Pentecostes para a prisão, dos insultos para a lança. Ele foi guardado por dezesseis soldados. Pergunte a si mesmo o porque de um homem indefeso necessitar de um semelhante grupo para vigiá-lo. Poder-se-ia
ser que Herodes temeu o sobrenatural, visto que ele soube que Jesus escapou de
um grupo semelhante que O guardava?

Se Pedro tivesse sido cercado por cento e dezesseis soldados, o problema não seria aumentado nem a fuga seria menos certa. Pedro não estava confinado somente pelas duas correntes, mas também pelas grossas paredes da
prisão, pelas três divisões da prisão e finalmente por um portão de ferro.

Quando Pedro estava na prisão, a igreja organizou um plano para libertá-lo? Não. Quando Pedro estava encarcerado, os crentes ofereceram uma petição a Herodes ou sugeriram um preço para oferecer aos legisladores para sua
liberdade? Não. Pedro tinha libertado outros na hora da oração; agora outros
deveriam crer na sua libertação.

Com freqüência através do livro de Atos, que poderia ser chamado Os Atos da Oração, encontramos oração e mais oração. Escave no livro e descubra este poder que motivava a igreja primitiva. No capítulo doze de Atos
encontramos um grupo que orava. Apesar de um exército acampado contra Pedro,
nisto aqueles crentes confiavam: havia um Deus que poderia e que livraria. A
operação de resgate que nunca falhou foi a oração. Não havia limites nas
orações daqueles que fizeram intercessão por Pedro. A oração era feita sem
cessar pela igreja à Deus por ele. Eles não estavam preocupados se Herodes
morreria ou não. Eles não oraram para que eles pudessem escapar do destino de
Pedro. Eles não pediram que eles tivessem outro êxodo para uma nação mais
hospitaleira. Eles oraram por uma pessoa: Pedro. Eles oraram por uma coisa: sua
libertação. A resposta provou o prometido: "E, tudo o que pedirdes na
oração, crendo, o recebereis".

Alguns pobres intérpretes desta história têm disto que quando aqueles que oravam ouviram que Pedro estava à porta, não acreditaram. Eu não posso aceitar esta suposição. Estou certo de que eles oraram com esperança. Eu
gosto de pensar que eles ficaram por um momento chocados com a instantaniedade
da resposta. Eles poderiam ser escusados se tivessem levantado suas
sobrancelhas quando Pedro disse: "Eu escapei facilmente com a escolta de
um anjo" (Próxima vez que você passar na porta mágica automática em seu
supermercado, lembre-se que a primeira porta a abrir-se de seu próprio acordo
foi funcionada de cima!).

Libertações operadas por anjos parecem não encontrar lugar na nossa teologia moderna. Talvez gostaríamos que o Senhor respondesse nossas orações com o mínimo embaraço para nós. Além do mais, quem esperará que as
filas angelicais sejam perturbadas para trazer libertação a uma alma que ora?
Porém, aconteceram resultados sobrenaturais para muitos dos santos que oravam
nos dias apostólicos. O Senhor usou um terremoto devastador para a libertação
do apóstolo. A oração é uma dinamite.

Não há nenhuma arma fabricada contra a oração que possa neutralizá-la. Algumas coisas podem atrasar as respostas à oração, mas nada pode parar o supremo propósito de Deus. "Se tardar, espera-o".

O primeiro requerimento na oração é crer.

- Crer que Deus é "galardoador dos que O buscam".

- Crer que Deus está vivo e que, portanto tem poder não somente para a libertação de Pedro, mas também para a nossa.

- Crer que Deus é amor e que Ele tem cuidado dos Seus.

- Crer que Deus é poder e, portanto nenhum poder pode opor-se a Ele.

- Crer que Deus é verdadeiro e, portanto não pode mentir.

- Crer que Deus é bom e que Ele nunca abdicará Seu trono ou falhará em Sua promessa.

Refletindo sobre a história de Pedro, fui repreendido, humilhado, envergonhado e atormentado. Por que? Porque há grandes santos de hoje em dia, Watchman Nee por exemplo, que por anos têm sofrido e têm permanecido cativos
pelos comunistas e outros. Muitos dos santos de hoje estão quietos na prisão. O
mesmo destino tem sucedido a algumas testemunhas escolhidas de Deus no Vietnã e
em Congo.

Tais perigos a outros membros do Corpo demandam preocupação, concentração e consagração para um plano comprometido de oração em favor deles. Eu temo que orações não têm sido feitas a Deus sem cessar por estes sofredores
membros da família.

O Sr. Bunyan nos mostra seu Cristão cativo pelo Gigante Desespero no Castelo da Dúvida. A chave para sua libertação foi Promessa. Nós Cristãos estamos no cativeiro em muitos níveis hoje pessoais, domésticos, da igreja e de
iniciativa missionária. Mas as correntes se quebram e as masmorras caem quando
a oração é feita pela igreja à Deus:

- Oração sem cessar;

- Oração que destrói nossa situação atual;

- Oração que nos drena de qualquer outro interesse;

- Oração que nos emociona por suas imensas possibilidades;

- Oração que veja Deus como Aquele que do alto governa, Todo-Poderoso para salvar;

- Oração que ria das impossibilidades e grite: "Será feito";

- Oração que veja todas as coisas debaixo dos Seus pés [de Deus];

- Oração que é motivada com o desejo pela glória de Deus.

A oração de um crente pode tornar-se um ritual. O lugar da oração é mais do que território onde atiremos todas nossas ansiedades, preocupações e temores. O lugar da oração não é um lugar para deixar cair uma lista de compras
diante do trono de um Deus com infinito suprimento e ilimitado poder.

Eu creio que o lugar da oração não seja somente um lugar onde eu perca meus fardos, mas também um lugar onde eu receba um fardo. Ele compartilha meu fardo e eu compartilho a Seu fardo. "Meu jugo é suave e meu fardo é
leve". Para conhecer este fardo, devemos ouvir a voz do Espírito. Para
ouvir esta voz, devemos calar e saber que Ele é Deus.

Esta hora calamitosa nos assuntos dos homens demanda uma igreja mais saudável do que a que temos. Esta manifestação evidente do mal na juventude e na violação dos mandamentos de Deus por todo o mundo requer uma fé
que não recua.

Podemos deixar nossas espadas de oração enferrujadas nas bainhas da dúvida? Poderemos deixar nossas desentoadas harpas de oração penduradas nos salgueiros da descrença?

- Se Deus é um Deus de inigualável poder e inacreditável força,

- Se a Bíblia é a imutável Palavra do Deus vivo,

- Se a virtude de Cristo é tão nova hoje como quando Ele primeiro fez a oferta de Si mesmo a Deus depois de Sua ressurreição,

- Se Ele é o único mediador hoje,

- Se o Espírito Santo pode nos ressuscitar como Ele fez como nossos pais espirituais, Então todas as coisas são possíveis hoje.

Os mares estavam agitados, os ventos estavam uivando, os marinheiros estavam chorando, os mastros estavam voando, as estrelas estavam escondendo-se, o Euro-aquilão explodindo. As pessoas estavam encolhendo-se e
gritando, gemendo e suspirando. Somente um homem estava louvando. Todos estavam
esperando a morte, exceto Paulo. No meio de uma cena de desespero, se alguma
vez houve uma, Paulo clamou: "Senhores, eu creio em Deus" (Atos 27).

Como as coisas parecem estar totalmente diferentes estes dias, eu vou me unir a Paulo. Eu vou dizer com fé: "Senhores, eu creio em Deus". Você se unirá a mim?

Nenhum comentário:

Postar um comentário