domingo, 8 de agosto de 2010

QUEM É JESUS?

Se alguém lhe perguntasse: Você sabe quem é Jesus? Você certamente
responderia que sim. Que Jesus foi um homem que se dizia Filho de Deus e
por isso foi condenado e morreu crucificado. Você sabe que ele nasceu
numa manjedoura, que era filho de Maria e José, foi muito pobre, era
carpinteiro, e ressuscitou após três dias da sua morte.

Mas, que diferença faz na sua vida o fato dele ter vindo ao mundo, morrido
crucificado e ter ressuscitado?

As palavras de Jesus, as coisas que ele ensinou, enquanto exerceu o seu ministério de apenas três anos
(dos 30 aos 33 anos de idade) são tidas pela humanidade como
preciosidades da literatura, da filosofia, e de muitas outras coisas
que, no final das contas, em nada alteram a forma de viver do homem.

Mas a sua vida mudou porque você um dia soube dessa história bonita e
comovente da vida e da morte de Cristo? Será que se ele não tivesse
existido, mudaria alguma coisa no fato de você estar sentado neste
momento em frente ao computador, navegando pela internet? Aquilo que
você é, que você sabe, que você pensa, que você deseja, e até mesmo que
você sente, seria diferente se ele não existisse?

Se a existência dele não faz diferença no seu dia-a-dia, você nunca o conheceu.

Por mais que ouçamos falar de alguém, por mais que nos descrevam como é
esse alguém físicamente, que nos relatem suas atitudes, seus valores,
não podemos dizer que conhecemos alguém de quem só ouvimos falar. O
convite que te fizemos na introdução desta página é para que você
conheça Deus. Jesus, apesar de ser o caminho mais "badalado" para que se
conheça Deus, talvez seja o menos experimentado. Queremos apenas lhe
ajudar a experimentar como, através dele, pode ser mais fácil do que
tudo que você tem tentado até hoje. Antes disso é preciso que você
conheça um pouco da vida de Jesus.

O sofrimento de Jesus não se iniciou momentos antes da crucificação, como nós muitas vezes pensamos.
Numa visão profética de Jesus, Isaías, que viveu uns seiscentos anos
antes de Cristo, conheceu as constante aflições pelas quais ele
passaria, tendo assim profetizado:

"Ele foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca. Não tinha parecer nem
formosura; e, olhando nós para ele, nenhuma beleza víamos para que o
desejássemos. Era desprezado, e o mais indigno entre os homens, homem de
dores, e experimentado no sofrimento. Como um de quem os homens
escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.
Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas
dores levou sobre si; contudo, nós o consideramos como aflito, ferido de
Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e
moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava
sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Todos nós andávamos
desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; e o
Senhor fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. Ele foi oprimido e
humilhado, mas não abriu a sua boca; como cordeiro foi levado ao
matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não
abriu a sua boca. Pela opressão e pelo juízo foi tirado. E quem pode
falar da sua linhagem? Pois foi cortado da terra dos viventes; pela
transgressão do meu povo foi ele atingido." (Is 53:2-8)

Durante toda a sua vida, Jesus sofreu dores, enfermidades, tentações, desprezo,
enfim, todo tipo de sofrimento que o ser humano pode enfrentar.

Mas por que será que isso aconteceu? Jesus não era filho de Deus? Por que
teve que passar por tudo isso?

Tamanho sofrimento não foi simplesmente para ser reconhecido como um grande filósofo, um grande
líder religioso, um grande profeta, ou qualquer outro dos muitos títulos
que sempre lhe conferiram. Não foi apenas para que tivéssemos uma
história bonita para contar aos nossos filhos, para ensiná-los a serem
bonzinhos, ou para que tivéssemos um grande exemplo de amor.

Durante a História, vemos muitos mártires e heróis que morreram pelas causas
que defendiam ou por amor a alguém. Muitos já disseram muitas coisas tão
bonitas quanto profundas. A justiça, o caráter, a dignidade, a verdade,
a humildade e a necessidade de cultivarmos tais sensos em nossas vidas,
já eram conhecidos antes de Jesus. Ele não veio ser mais um filósofo,
mais um exemplo de vida, mais um ensinador de boas doutrinas. Ele veio
trazer algo maior que o homem ainda não havia conseguido com seus
próprios esforços. Ele veio trazer SALVAÇÃO!

Como entender isso? De que nós precisamos ser salvos, afinal? Para se chegar a uma resposta é
preciso entender quem é Jesus.

Ao contrário do que se costuma pensar, Jesus não passou a existir com o seu nascimento em Belém. Parece
estranho, não é? Como alguém pode existir antes de nascer? É que Jesus
apenas veio ao mundo, ele não era deste mundo, como ele mesmo disse.
Jesus é Deus-Filho e estava com o Pai desde antes da criação do mundo.
Isso mesmo. Ele estava presente na criação do mundo. João entendeu isso e
escreveu:

"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas
foram feitas por meio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez." (Jo
1:1-3)

"...e o Verbo se fez carne, e habitou entre nós. Vimos sua glória, a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e verdade." (Jo
1:14)

Observe que "princípio" é a primeira palavra da Bíblia. Foi quando Deus fez a sua obra criadora ("No princípio criou Deus os
céus e a terra." Gn 1:1). E Jesus estava no princípio com Deus. Mais do
que isso, ele era o próprio Deus, na qualidade de seu Filho. Ele é o
criador de tudo o que se fez. Mas ele veio à Terra, parte de sua
criação, e veio na forma de criatura.

Dizíamos que Jesus não veio à Terra ser mais um herói ou mais um mártir da humanidade. O que
diferencia Jesus de todos os outros é que ele não apenas morreu por nós.
Ele também ressuscitou, provando que a morte não prevalece sobre ele.
Provando que ele realmente é Deus-Filho. Ao ressuscitar, deu a garantia a
todos quantos queiram conhecê-lo e por ele viver, que ele pode salvar
da morte.

Então Jesus veio salvar da morte. Que morte? Não estamos vivos? É certo que não sabemos o que vai acontecer conosco no
minuto seguinte ao que vivemos, mas que salvação é essa que ninguém
alcançou? Ninguém venceu a morte até hoje, mesmo depois da vinda de
Jesus e da sua ressurreição, a não ser ele mesmo. Ele ainda não salvou
ninguém?

É preciso que você se lembre que estamos falando de coisas espirituais e a morte física não está inserida nesse contexto
espiritual. Da morte física, não podemos escapar. Toda a criação tem um
fim, e nós também. Mas o mais importante é que além de termos um corpo,
temos um espírito. E embora não pensemos nisso, existe também a morte
espiritual. É dessa morte que Jesus quer nos salvar.

Começamos a entender que salvação é essa, quando não encaramos mais Jesus como um
pobre coitado que nós crucificamos, mas como Deus na forma de homem, que
veio passar pelo que passou porque ele quis nos salvar. Ele quis. Jesus
poderia não ter vindo. Poderia não ter morrido. Ele não morreu na cruz
porque os judeus o condenaram, ou porque Herodes quis, mas porque
queria. Ele sempre soube o que lhe aconteceria. Quando Ele deixou a
glória que tinha junto a Deus Pai e se dispôs a vir ao mundo, ele sabia
exatamente o que lhe aconteceria, e aceitou a missão. Ele se fez homem, e
habitou entre nós. Em nenhuma oportunidade fez uso de seu imenso poder
em seu próprio favor, sempre o fez para mostrar ao incrédulo homem quem
Ele era e o que deveria ser feito para que tivéssemos vida.

Estamos acostumados a dizer: "A vida é minha. Quem manda em mim sou eu."

Na verdade, quem manda em você é você mesmo. Mas a sua vida não lhe
pertence. O dom da vida pertence a Deus. É só ele quem pode dar vida a
uma célula para que ela se multiplique, ou à menor partícula existente
no Universo, da qual o homem sequer tenha conhecimento. Ele também pode
tirar a sua vida quando quiser. Você não tem poder sobre a sua própria
vida. Que coisa chata, não é? Como já dissemos, talvez seja mais fácil
ignorar a existência de Deus do que admitir uma verdade tão dura para
nós.

Quando nascemos, temos uma constante comunhão com Deus. Não conhecemos ainda os caminhos do mundo, as maldades das quais somos
capazes, os sentimentos perversos que podemos sentir pelo próximo,
enfim, ainda não conhecemos que é o ser humano. Ainda não fazemos
escolhas. Não escolhemos o que vamos comer, o que vamos vestir, a que
horas será a mamadeira e o banho. Ainda não tomamos decisões. À medida
em que vamos crescendo, vamos conhecendo o mundo, vamos aprendendo a
mentir, a fingir, e na necessidade de tomarmos decisões, mesmo as mais
simples, já podemos escolher. Escolher passa a ser o que fazemos para o
resto das nossas vidas. Todos os dias escolhemos como vamos proceder,
que caráter (ou falta dele) teremos diante das mais diversas situações
e, sem que percebamos, nos distanciamos muito de Deus, porque acabamos
por acreditar que não precisamos dele, que somos auto suficientes, que
temos muitas coisas para resolver e não temos tempo para ele.

Admitir que estamos longe de Deus é difícil. Daí vem aquela idéia que Deus é
uma força, ou mesmo a própria natureza, porque assim temos a desculpa de
que ele está sempre perto, que nunca nos distanciamos dele. Mas se já
chegamos à conclusão de que Deus é um ser, que nos criou e quer nos dar
salvação, e para isso até já se fez na forma da criatura para vencer a
morte, temos que concluir que para estar perto dele não basta
existirmos, como acontece com a natureza ou qualquer força natural. Na
verdade, Deus está mesmo sempre muito perto de nós. Nós é que não
estamos perto dele. Estamos sempre voltados aos nossos compromisssos,
aos nossos problemas, ou mesmo ao nosso descanso, ao nosso lazer, à
nossa vaidade, e o que no máximo fazemos é dar um "pulinho" a alguma
igreja para "cumprir a nossa obrigação", às vezes, nem isso.

Será que é isso que Deus quer? Ou será que ele nos deseja ver enclausurados
em igrejas e retiros, murmurando, gemendo e chorando porque Jesus
morreu?

Não! Por um simples motivo: Jesus não está morto. Ele vive e é o único caminho para se chegar a Deus.

O que Deus quer é que voltemos a ser como quando dependíamos dele para tudo. Quando não
nos achávamos capazes de resolver todos os nossos problemas sozinhos.

Que tal experimentar falar com Deus? Ouvir Dele a resposta para as suas
perguntas?

Uma grande parte de todas as perguntas que dizem respeito à vida, têm resposta nas páginas da Bíblia.

Experimente. Tente começar pelo Novo Testamento. Tente por de lado tudo o que você
já aprendeu sobre Deus, Jesus, Bíblia, e etc. Leia com o coração aberto e
ouça o que Deus tem para te falar. Tente descobrir, através da sua
leitura, qual é o caminho para se falar com Deus. Está tudo lá.

Uma dica: É de graça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário