sexta-feira, 1 de outubro de 2010

AO PASTOR ESQUECIDO

Talvez more "de favor" no quintal da casa de um filho, de um amigo, de uma ex-ovelha;

Talvez esteja sozinho, viúvo, abandonado num asilo ou numa "casa de repouso";

Talvez esteja no porão escuro e úmido do templo de uma igreja;

Talvez num barraco esquecido até da comunidade onde vive;


Talvez só receba a aposentadoria por idade que o governo paga aos que envelhecem;

Talvez nunca tenha pago uma previdência privada ou feito um plano melhor;

Talvez viva com uma cesta básica que lhe dão de quando em vez ou ofertas incertas de algum bom coração;

Talvez já tenha ido dormir com fome, com frio ou absolutamente solitário;


Talvez tenha feito um longo ministério, numa única igreja, um investimento de toda uma vida;

Talvez tenha cuidado de uma dezena de igrejas e congregações, grandes ou pequenas;

Talvez tenha sido missionário itinerante, andando à pé, de bicicleta, cavalo, barco ou carro;

Talvez tenha exercido um ministério secundário, um co-pastorado em alguma grande igreja:


Talvez não tenha uma família que lhe visite;

Talvez não tenha mais cartões de aniversário ou do Dia do Pastor;

Talvez não consiga comprar nem meio quilo de carne para o Natal;

Talvez nem uma esposa tenha mais ao seu lado;


Talvez esteja pensando que poderia ter feito outra coisa na vida, ter seguido outras profissões;

Talvez tivesse mais dinheiro, dignidade, amigos, patrimônio;

Talvez seus filhos ainda fossem presentes ou sua esposa não tivesse sofrido tanto;

Talvez fosse alguém na vida se não amasse tanto a Igreja, o púlpito, as pessoas e o pastorado;


Talvez tudo teria sido diferente se tivesse aceito aquele convite que lhe fizeram;

Talvez encontrasse a felicidade não investindo tempo integral em seu ministério;

Talvez pudesse até ter desfrutado de um plano de saúde melhor ou de uma aposentadoria mais digna;

Talvez não estivesse esquecido numa cama velha e numa casa pequenina.


Talvez haja muitos porquês a assaltar-lhe as noites, a espantar-lhe o sono;

Talvez se o tempo voltasse teria feito tudo diferente;

Talvez nem igreja pastoreasse e se sentisse mais feliz;

Talvez envelheceria com mais dignidade.


Pastores esquecidos! Pastores superados!

Pastores envelhecidos! Pastores cansados!

Pastores empobrecidos! Pastores ultrapassados!

Pastores entristecidos! Pastores injustiçados!


Tais pastores não aparecem na televisão, não são vencedores e prósperos;

São obsoletos, são cenários velhos de velhos cultos em velhos evangelhos;

São restos de um passado que as igrejas querem apagar, são seres que envergonham a classe;

São tudo o que a mídia cristã procura ignorar e fazer acreditar que não existem.


Mas existem e não são poucos!


São aqueles que queimaram como velas de duas pontas, que se excederam nos cuidados com a igreja;

Que dormiram pouco, que andaram muito, que visitaram todos, que oraram sempre!

São aqueles que ano após ano estavam em seus púlpitos, proclamando o "assim diz o Senhor!"

São os que aguentaram as crises, que venceram as divisões, que não fugiram quando os lobos uivaram;


São heróis sem nome,
são vencedores sem medalha,
são pioneiros que abriram as picadas na mata
Onde hoje fulguram orgulhosas catedrais!


Hoje são páginas amareladas, muitas vezes ignorados pelos seus próprios filhos,

Que aguardam apenas o dia de partir deste mundo injusto.



Colegas esquecidos,

Pastores sem nome,

ministros sem púlpito,

anciãos não respeitados;


Não se esqueçam, por favor,

que há colegas nobres nas fileiras, que jamais receberam recompensas neste mundo mau e ingrato.

Recebam o abraço de Paulo, o apóstolo abandonado por todos no final de sua vida;

O abraço de Pedro, talvez crucificado sozinho, de cabeça para baixo;

Ou de Heróis da Fé na História da Igreja,

que muitas vezes morreram como holocausto pelo nome do Senhor!



Ah, colegas esquecidos!

Não há galardão perdido!

Não há uma visita pastoral que ficará sem menção!

Não há uma noite em claro, gasta em prol do rebanho, que deixará de ser lembrada!

Não há uma lágrima,

uma companhia, uma esmola, uma oferta,

uma dedicação, que deixará de ser contada!



Há um Deus nos Céus!



E se a dor lhe cobre o leito, se a solidão lhe traspassa a alma,

Saiba que muito mais que isso sofreu o nosso Salvador, o Supremo Pastor;

mas Ele venceu,

E com Ele está a Coroa da Justiça,

a ser oferecida aos pastores, mesmo aos esquecidos.



Ânimo! Deus não lhes esquece!



E se Deus não esquece, por que nos entristeceremos?



É hora de lavar o rosto, como José do Egito,

ou de comer algo e reanimar, como Davi,

Ou de levantar e ir, como Abraão,

ou de confiar no Senhor para a partida.

"Lá está o meu tesouro, lá onde não há choro,
Onde todos cantaremos juntos hinos de louvor ao Senhor!*"


Feliz DIA DO PASTOR, colega esquecido!

Wagner Antonio de Araújo,
pastor.
junho, 2010

Um comentário:

  1. Parabéns pelo blog e pelo curriculum é benção, quase chorei com a postagem do pastor esquecido é real!

    ResponderExcluir