segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Movimentos de "crentes sem Igreja"

Publico com a devida autorização do Pr.Magdiel autor do texto, espero que gostem abraços.



Devido estarmos vivendo uma situação quase que inusitada em nossos dias no que diz respeito à desvalorização e desconfiança nas instituições e denominações evangélicas de uma forma geral por parte de grande parte dos então chamados “crentes”, resolvi pesquisar com mais profundidade esse fato e sobre isso aqui escrevo.
O assunto que desejo abordar aqui e que foi alvo de minhas pesquisas é deveras delicado para muitos irmãos, pois se preocupam em não incomodar ou chatear aqueles que pensam discordantemente. Mas, da mesma forma que emitem uma opinião formada a respeito e a declaram abertamente, devemos também expressar nosso posicionamento diante do quadro que se apresenta, sempre buscando contribuir para um aperfeiçoamento das concepções existentes e a edificação de nossa irmandade.
Penso que a preocupação em não incomodar tem algum sentido mas não pode substituir o bom argumento. Fazer ou pelo menos tentar levar à reflexão sobre a questão de forma respeitosa não é prejudicial, entendo que é uma contribuição valiosa para o crescimento de uma pessoa.
Dito isso, vamos ao assunto em questão.
Semelhantemente a média percentual de crescimento dos chamados “crentes sem igreja” (termo não criado por mim, mas largamente divulgado. Ressalto que o uso desse termo aqui não é da minha parte nenhuma forma de preconceito ou acusação. Não o utilizo de forma pejorativa, apenas o replico para melhor entendimento dos leitores), também cresce o número de crentes que entendem que ter um local de reunião (templo) e ser membro formal de uma denominação ou organização evangélica é uma perda de tempo e mais, muitos entendem que isso é errado e se justificam usando textos bíblicos do início da Igreja Cristã (Igreja Primitiva). Ainda alguns destes observam que a função ou título de pastor é algo prejudicial à Igreja, e que somente existem porque homens o criaram com a intenção de enganar e se aproveitar do povo de Deus.
Acentuam em seus argumentos que muitas pessoas são feridas e magoadas nas igrejas evangélicas e seguindo um raciocínio lógico (segundo eles) portanto a Bíblia ensina que o culto cristão (adoração, louvor, oração, leitura bíblica, pregação, etc...) podem ser realizados individualmente e em sua própria casa. Tornando assim uma inutilidade qualquer tipo de organização formal ou implantação de normas e critérios organizacionais por tais exigidas.
Desta forma, vemos a existência e o surgimento de movimentos que se originam nesta linha de raciocínio de questionamentos e que se disseminam rapidamente entre os que estão sem uma igreja para congregar, seja qual for o motivo para sua saída ou desligamento.
Antes de analisar à luz da Palavra de Deus esse pensamento e argumentos, desejo mencionar mais detalhadamente essas origens de tais movimentos e algumas conseqüências trazidas a vida das pessoas que os aceitam e decidem viver segundo esses ensinamentos:

Origens dos movimentos de “crentes sem igreja”

a) Líderes que ferem.
Essa é uma das razões de muitos crentes não pertencerem mais a uma denominação ou organização evangélica. As feridas causadas por líderes inescrupulosos ou sem a mínima idéia do que é e do que consiste a liderança cristã. Por isso, afastam muitos e prejudicam o andamento da obra de Deus. Líderes que se fazem líderes. Que pensam que liderar é ser “chefe” ou ainda “dono da igreja”. Que para alcançar os alvos estabelecidos não levam em consideração a vida das pessoas, ao contrário, se introduzem sem serem convidados, se metem em questões alheias sem permissão. E mais, nunca entenderam que a liderança ou o pastorado se realiza de forma servil e não como dominadores do rebanho.
Confundem serem ministros de Deus com aqueles que mandam, os que ditam as ordens. Esquecem ou nunca entenderam isso, que mesmo em uma posição de liderança, ouvir as pessoas e principalmente a Deus são fundamentos essenciais ao obreiro cristão. Esquecem que todas as decisões e atitudes a tomar devem sempre levar em consideração a vontade de Deus e conseqüentemente o crescimento do povo que ali se congrega.
Não possuem vocação, discernimento e sabedoria espiritual para liderar. Não compreendem que liderança não se impõe. Querem chefiar e não abençoar. Esquecem que todas as metodologias, conceitos, princípios e dons devem estar encharcados do amor cristão. Que mesmo necessárias, as normas e procedimentos de uma organização não podem e não devem sobrepujar as orientações bíblicas, muito menos possuir o mesmo valor e importância. Que mesmo quando precisarem repreender ou corrigir alguém pela Palavra devem buscar sempre a restauração, a reconciliação e nunca a expulsão ou acusação.
Como distinguir ou discernir quais atitudes tomar? Buscando em Deus a direção. Mas, isso eles não fazem. Dá muito trabalho. Preferem agir por impulso e por motivações equivocadas. São controlados pelos sentimentos e pelos seus próprios interesses. Agem pela paixão, pela ambição desmedida e não através da boa reflexão e meditação bíblicas.
Por isso causam e produzem feridas profundas na alma das pessoas que confiavam em sua liderança ou pastorado e ali estavam por amor a Deus e com desejo imenso de servir a causa de Cristo. Ferem, machucam e afastam da igreja os que ali congregam.

b) Igrejas que ferem
Da mesma forma que líderes podem ferir, grupos (igrejas) também o podem.
Existem igrejas que possuem tipos de governos eclesiásticos que favorecem o surgimento de feridas. São aquelas igrejas que privilegiam uns em detrimento de outros. Que criam classes diferentes e distintas de crentes, como se houvesse uma gradação ou níveis diferentes de importância e valor das pessoas para Deus na igreja. Negligenciam o sacerdócio universal dos crentes e o valor de cada membro da igreja e com isso humilham uns e tornam outros soberbos.
Acabam por ferir as pessoas fazendo com que pensem que são inferiores e que nunca chegarão a entender de verdade as coisas de Deus.
Há também grupos que valorizam demais a democracia na igreja e esquecem que a forma bíblica de governo é a Teocracia. A democracia deve estar sujeita a teocracia. Senão a igreja torna-se um grupo governado por normas e procedimentos muitas vezes desvinculados das Escrituras e por vezes com diretrizes que possuem o mesmo peso e até mais que a Palavra de Deus.
Isso faz com que muitos sejam feridos pelo não cumprimento fiel dos Estatutos, das Normas e Procedimentos criados pela organização e não pela desobediência ou rebeldia à Palavra de Deus. Ao contrário, se a Palavra fosse aplicada com fidelidade muitas normas e procedimentos não seriam necessários e seriam abolidos definitivamente por temor a Deus.
Muitas exclusões por descumprimento de normas e procedimentos estatutários seriam substituídas pelo tratamento bíblico das enfermidades espirituais e pela busca amorosa e dedicada a ovelha perdida.
Mas, essas igrejas preferem o caminho mais curto e mais rápido. Tratar o doente espiritual dá muito trabalho, exige dedicação e esforço. É muitas vezes demorado e cansativo. É imprescindível amor e abnegação pessoal.
É melhor expulsar o doente do hospital e deixá-lo se tratar sozinho. “Ele que se vire”. “Um rebelde a menos”, diriam muitos.
Por isso muitos são feridos quase que mortalmente nessas igrejas e se afastam de “seus irmãos”.

c) Problemas de Relacionamentos
Muitas vezes as razões ou motivos que levaram alguém a se afastar e não mais congregar em uma igreja evangélica foram os problemas que essas pessoas tiveram com relação aos relacionamentos interpessoais naquela comunidade cristã.
Pessoas que não somente na igreja, mas em todos os outros locais que convivem, tem problemas nessa área. Ainda não conseguiram aprender a conviver em grupo e não assimilaram as lições que a própria vida lhes proporcionaram.
Talvez pelo temperamento explosivo e sua incapacidade de perceber quando está sendo inconveniente, acabam criando polêmicas desnecessárias e contendas inúmeras (falam muito, sem sabedoria nesse falar e normalmente em momentos errados). Alguns desejam se sobressair aos demais e também provocam situações de confronto e conflitos de toda ordem.
Tornam o ambiente e a sua permanência em um grupo, quase que insuportável para si. Por fim, quando não conseguem satisfazer seus anseios de centralizar a atenção e expor suas idéias e não encontram compreensão para suas atitudes impensadas, se afastam e não mais retornam.
Outros pela própria imaturidade não conseguem construir relacionamentos sólidos de amizade e irmandade, pois estes relacionamentos exigem muitas vezes o ouvir e o respeitar o espaço de outros e isso é muito difícil para estes.
Ainda, não admitem se submeter a nenhum tipo de autoridade, seja ela familiar, profissional ou espiritual. Vive com problemas constantes com relação a isso.
E assim, preferem desistir de congregar e culpam a congregação pela sua incapacidade de viver em grupo.

d) Ausência de Conversão Genuína
Muitos se afastam das igrejas porque nunca fizeram parte dela de verdade. Ali se encontravam porque de alguma forma, seus anseios e desejos estavam sendo satisfeitos. Havia algo que os agradava muito e por isso freqüentavam aquele local e participavam da vida daquela comunidade cristã regularmente.
Mas, quando, por alguma razão, aquilo que os agradava foi modificado para algo que não os agradava, foi o que bastou para abandonar a igreja e procurar uma outra que trouxesse a satisfação perdida.
Chamo isso de “mentalidade de clube”.
Esses permanecem enquanto nada os incomoda. Se algo incomodou ou mexeu com questões e assuntos que não desejam que Deus “toque”, são enfáticos em afirmar que não fazem mais parte daquele grupo. Essa mentalidade têm afastado muitos.
Porém, nesse caso esses sempre estiveram afastados de Deus, mesmo que participantes ou membros de uma igreja evangélica.
Não entenderam o Evangelho de Cristo. Ainda não foram alcançados por ele. Devem ser alvos de nossa oração, intercessão e evangelismo.

Conseqüências dos movimentos de “crentes sem igreja”

1. O primeiro impacto é a enganosa impressão de independência e liberdade de todo e qualquer “jugo” denominacional. Não há regras ou normas a se cumprir. Entendem isso como a verdadeira liberdade que Cristo nos proporciona. Estão livres para servir a Deus é a frase que mais se ouve entre os “sem igreja”.
Essa sensação de leveza com o tempo vai sendo minada e substituída pela sensação de solidão. Mesmo com a disposição e muita disciplina pessoal para realizar um culto em casa individual ou com algumas pessoas, a ausência da vida em congregação traz uma saudade e uma nostálgica impressão de isolamento que com o passar do tempo percebe-se que não é apenas uma impressão mas uma realidade interna que traz angústia e tristeza.

2. Uma segunda conseqüência inicial é de que, como não há a necessidade de retorno a vida cristã de forma congregacional, não é também necessário se preocupar com o que foi constatado estar errado na sua vida. Não é preciso conserto algum, pois tudo era errado e agora tudo está de acordo com as Escrituras, portanto por que consertar os erros do passado?
Os problemas de relacionamento ocorridos, a falta de perdão ao próximo e temor a Deus, a ausência de amor pelos irmãos, o orgulho, a arrogância, a rebeldia, etc... Não é preciso mais “mexer” nisso. Tudo fica resolvido, somente não indo mais àquele lugar.
Mas, não é isso que a Bíblia nos ensina. A reconciliação, restauração, o conserto, são itens obrigatórios à vida cristã de todo salvo em e por Cristo.

3. Uma terceira conseqüência advinda deste pensamento dos “sem igreja” é a de esfriamento espiritual. Como não há mais o contato semanal com o restante do rebanho também não há o partilhar de idéias, experiências, bênçãos e dificuldades. Como não há o congregar, também fica mais difícil usar com perfeição os dons e talentos doados por Deus como: ensinar, exortar, servir, etc... Como não há mais a necessidade de estar juntos, também não há mais a refeição congregacional na forma de pregação e ensino sistemáticos da Palavra.
Mesmo com toda disposição em buscar isso de outras formas (DVDs, CDs, programas de TV ou literatura), não são a mesma coisa. Vemos essa busca claramente no âmbito da internet com o surgimento e o crescimento das redes sociais cristãs, onde as pessoas buscam interagir com outros irmãos incessantemente. Mas, com o tempo chegam a conclusão que falta o contato humano, falta o calor humano, falta o calor do rebanho. A conseqüência natural com o tempo é de esfriamento espiritual, e depois, muitas vezes a queda.

4. Outra conseqüência marcante para os “sem igreja” é a perda da benção de Deus que se manifesta na participação no culto e na vida da comunidade cristã. Quem não reconhece que nos momentos em que a congregação está adorando e louvando a Deus existe um ambiente todo especial proporcionado pelo Espírito? Quem não reconhece que no ensino (EBD, estudos bíblicos...) existe um mover de Deus singular? Quem não reconhece e admite que a pregação da Palavra em forma de sermão pregado a congregação não traz um ingrediente a mais em nossa vida?
Quem não reconhecer e admitir isso, talvez nunca tenha realmente participado integralmente da vida em congregação ou em uma comunidade cristã. Mas creio que a grande maioria entende o que estou dizendo.

5. Outra conseqüência é construir um argumento baseado na idéia de que toda forma que a Igreja buscou para melhorar a praticidade de suas reuniões (cultos) e acomodar melhor sua congregação é errada. Toda forma de templo é prejudicial. A forma correta são casas ou ainda praças, no monte ou na rua.
Isso é uma bobagem sem tamanho. Os templos ou salões usados para realização dos cultos cristãos são simplesmente uma forma prática e objetiva de acomodar a quantidade de pessoas em um só local. Ali é preparada toda uma estrutura para que as pessoas possam aprender e ensinar. Não há nada de prejudicial nisso, diria que é uma metodologia inteligente.
Nada contra cultuar a Deus em casa, em praças, nas ruas, em montes, etc... Eu diria que uma coisa complementa a outra, ou seja, não são excludentes.

Há outras conseqüências que podemos perceber claramente na vida dos que pertencem a esses movimentos dos “sem igreja”, mas, penso no momento, ser o bastante.
É comum conversar com pessoas que me confidenciam essas conseqüências em suas vidas, originadas da aceitação de que se pode viver bem e em paz com Deus longe da vida em congregação com seus irmãos. Que se pode cultuar e servir a Deus de forma isolada e sem o partilhar regular com um grupo de crentes. Ledo engano.
Descobriram o equívoco e hoje buscam não cometê-lo mais.

Análise da questão à Luz da Palavra de Deus

1. Ajuntamento vs. Isolamento
Seguindo o que nos revelam as Escrituras vemos que Deus desde a criação se preocupou em nos mostrar que o isolamento não é sua vontade para a humanidade. Quando criou o homem (Adão) e tudo ao seu redor, viu que não era bom que permanecesse só (Gen. 2:18), e então criou a mulher (Eva). A ordem para multiplicar não foi simplesmente para crescer quantitativamente mas um crescimento dirigido para a vivência em comunidades, em grupos. E historicamente observamos que os povos assim o fizeram.
Quando vemos Deus fazer a promessa a Abraão de fazer dele uma grande nação (Gen. 12: 1-3), e da escolha de Deus por um povo específico como sendo o Seu povo, encontramos mais uma vez a indicação de que a vontade de Deus é desse povo estar em unidade, ou seja, juntos.
Observamos em todo o AT essa orientação divina sempre ajuntando o povo, sempre reunindo a nação, e não encontramos nenhuma orientação de Deus para que pessoas isoladamente e a só representassem nisso o propósito e o objetivo de Deus para Seu povo.
Desde os primórdios da criação, passando pela libertação do jugo egípcio e babilônico, da época dos reis e juízes e por fim, da narrativa bíblica acerca dos profetas, não encontramos a orientação para nos isolarmos ou cultuarmos a Deus somente individualmente, do contrário, há uma enorme quantidade de orientações e exemplos de culto a Deus coletivo, como povo, como nação.
Quando então adentramos o terreno do NT, observamos que essa indicação torna-se muito mais concreta e objetiva em Cristo e após com seus discípulos. Os termos agora usados para o povo de Deus tornam-se muito mais íntimos e fraternos. Destacam-se os termos: família de Deus, Corpo de Cristo, Assembléia dos santos, e outros (Gál. 6:10; 1 Cor. 12: 27; Col. 1: 19), mostrando claramente o princípio de “estar juntos”, de congregação, de comunidade cristã, de fraternidade cristã.
Ao examinarmos o livro de Atos percebemos que ali se inicia o período da Igreja sendo organizada, e nas cartas do NT vemos a expansão e fundação de novas igrejas, fruto do trabalho missionário, principalmente de Paulo.
A história da Igreja mostra que os irmãos iniciaram suas reuniões (cultos) nas casas, praças e no pátio do templo judaico. Com a perseguição, tiveram que se esconder e se reunir nos cemitérios subterrâneos e em locais ermos. Com o tempo, passaram a construir locais para culto, os então chamados templos cristãos, que foram aperfeiçoados e melhor estruturados para receber os crentes para o culto de adoração a Deus.
Sempre a idéia e a indicação de ajuntamento, de grupo, permeiam toda essa trajetória.
Por quê? Porque a vontade de Deus é que haja um partilhar de vidas entre seu povo (Atos 2: 42-46), na Sua Igreja. Deus deseja seus filhos juntos, unidos e partilhando de suas experiências, dificuldades, problemas, bênçãos e suas virtudes. Deus deseja através dessa união, a edificação dos seus, e o crescimento da Igreja. Para tanto, é necessária a vida em comunidade. É necessário o contato humano, o calor humano. É desta forma que os dons são utilizados para a edificação do Corpo e que os crentes são aperfeiçoados em Cristo (1 Cor. 12; Ef. 4:1-16).
A vontade de DEUS é que vivamos como família e não como eremitas espirituais.

2. Templos: Idéia Humana ou Criação Divina
Paralelamente a idéia de ajuntamento que já abordei anteriormente, vê-se também a idéia de um local para agregar as pessoas que irão cultuar a Deus.
Basta uma leitura atenta da Bíblia para perceber que desde o AT, Deus mostra que não é contrário a existência de um local para seu culto. Local esse que possa reunir um número muito maior do que poderia se conseguir em um culto em uma casa comum ou em um local não construído ou preparado para tal.
Mesmo quando o povo estava peregrinando pelo deserto, Deus instituiu e orientou a construção de um local provisório (pois era erguido somente quando paravam a caminhada), chamado de Tabernáculo, onde aconteciam as cerimônias concernentes ao culto na época (Êx. 26:30; 40:2).
Quando o povo de Deus se estabeleceu e cresceu, Deus não rejeitou a idéia da construção de um templo, ao contrário incentivou e orientou em todos os detalhes para a concretização do projeto, visualizado por Davi, mas consumado por Salomão (1 Reis 6-8).
E o templo foi no AT utilizado em todos os momentos de culto sob a orientação direta de Deus, com orientação clara aos sacerdotes e aos que o usavam regularmente.
A História da Igreja mostra que com a organização e crescimento desta, foram construídos templos e locais de culto seguindo o princípio largamente usado no AT: um local onde se centralizava (mas não se esgotava, pois sabemos que a adoração não se limita ao templo, mas segue constante e individualmente (João 4: 23,24)) o culto a Deus por seus seguidores, por seus filhos.
Hoje, isso ainda é tremendamente importante, pois, além do culto individual, todo cristão deve ter um local onde de forma congregacional adora, louva e serve ao seu Senhor, e se reúne com seus irmãos (Hebr. 10:25).
Não sacralizamos o templo, mas o consideramos importante para a vida da Igreja.
Vemos então que a idéia de templos não é humana. É uma criação do Deus da Igreja.

3. Os Líderes (o pastor) segundo a Bíblia
Aqui nos detemos principalmente no NT.
Mesmo com todas as orientações e exemplos de pessoas que Deus escolheu para liderar Seu povo no AT, é no NT que encontramos maior respaldo e fundamento para a liderança cristã.
Nesse contexto, encontramos os dons espirituais. Veja que há dons espirituais específicos para liderança nas listas que a Bíblia nos revela. Os principais são: apóstolo, profeta, pastor, mestre e evangelista (Ef. 4:11). Restringindo-nos ao dom de pastor especificamente, descobrimos então que biblicamente pastor não é título ou cargo, é um dom espiritual dado a certos crentes para poderem exercer a função (o ministério, o serviço) de apascentar, pastorear o povo de Deus.
Na narrativa bíblia e na história da Igreja foi também usado o termo presbítero para se referir à pessoa com dom para pastorear, para liderar um grupo de crentes.
Desta forma, a Igreja respeitando essa orientação e indicação bíblica, separa essa pessoa e a delega autoridade para liderar. Por isso deve ser respeitada, não por ser melhor que outros irmãos, mas sim pela missão que a ela é delegada por Deus (Hebr. 13: 7, 17)
Os maus exemplos não devem ser usados para generalizar de forma pejorativa os que permanecem fiéis a Deus em seus ministérios. Do contrário, os fiéis devem ser dignos de duplicata honra (1 Tm. 5:17; 1 Tess. 5: 12,13).

Considerações Finais

Claro que não esgotei o assunto, mas diante do exposto, penso que a Igreja Cristã deve buscar uma reforma urgente que inclua principalmente os seguintes aspectos:

1. Efetuar uma auto-análise honesta na sua forma de administrar (governo) uma comunidade cristã e na sua metodologia preparatória (preparo, formação e capacitação) para os novos obreiros.
Para tanto um retorno a currículos exclusivamente bíblicos e com disciplinas extremamente fiéis as Escrituras e pertinentes ao trabalho de liderança pastoral nos Seminários e Faculdades Teológicas deve ser prioritário. Isso aliado a uma organização que considera atentamente a maneira bíblica de governo e administração eclesiástica fundamentadas nos princípios e valores de Deus já revelados, sem ceder a pressões antropocêntricas e desvinculadas dos ideais do Evangelho de Cristo são muito relevantes nesse processo de reforma.

2. Reconhecer que vivemos a realidade de um fato histórico importante que são “os movimentos de crentes sem igreja” e buscar biblicamente formas de alcançá-los e trazê-los novamente ao convívio dos seus irmãos, sem contudo, acusá-los ou condená-los. Não deve existir o confronto inútil do debate de acusações ou as pressões e imposições que somente contribuem para o acirramento dos ânimos e a afloramento da revolta.
Deve existir a comunicação concreta do amor cristão expresso em forma de compreensão e auxílio, mesmo que a princípio, isso não surta o efeito desejado. Sempre a restauração e a reconciliação devem ser o alvo. É uma pessoa, um irmão que ali está. E deve ser amado e respeitado, mesmo que entendamos que corre sério perigo estando distante dos demais.

3. Retornar a fidelidade doutrinária, ao amor a Palavra e aos bons costumes. Isso significa voltar a ter uma postura de busca pela profundidade bíblica e pela boa tradição, aplicando-a aos processos e questões da vida da Igreja e ao nosso dia-a-dia. Ouvir o clamor dos que sempre compreendem a Igreja como sendo aquilo que Deus a instituiu, ou seja, a Embaixadora de Cristo, seria muito importante e essencial a todos nós que fazemos parte dessa Igreja hoje.

Louvado seja Deus, o Senhor da Igreja.

Pr. Magdiel G Anselmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário