quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

John Wesley e os Dons do Espírito Santo



Robert G. Tuttle Jr. *

Há muitos anos, o evangelista Ed Robb, United Metodist, falou de um tempo em sua vida, quando ele acreditou que os dons do Espírito Santo eram exclusivamente para uma época apostólica, não para hoje. Ele está agora convencido de que esta época é a época apostólica e que os dons do Espírito Santo são exatamente tão relevantes hoje, quanto eles foram, nos dias dos primeiros apóstolos.

John Wesley, o fundador do Metodismo, certamente teria concordado. Na sua entrada no Diário, em 15 de Agosto de 1750, quarta-feira, ele escreveu: "Eu fui completamente convencido daquilo que eu, há muito, suspeitava. (1). Que os 'Montanistas' [Doutrina ou seita do século II, fundada por Montano, que afirmava estar próxima a vinda do Espírito Santo à Igreja e a descida da Jerusalém celeste. A seita tomou caráter ascético, condenando segundas núpcias], do segundo e terceiros séculos, eram cristãos verdadeiros e bíblicos; e (2). que a grande razão, porque os dons miraculosos eram tão logo sufocados, não foi apenas porque a fé e a santidade estavam bem perto de serem perdidas; mas porque os homens ortodoxos e estéreis começaram a ridicularizar qualquer que fosse o dom que eles próprios não tivessem, e a depreciá-los, tanto como loucura, quanto como embuste".

Wesley claramente acreditou que os dons do Espírito Santo foram relevantes para a igreja em qualquer época. Ele os definiu. Ele os descreveu. Ele os experimentou. Ele os defendeu.

Embora nunca enfatizasse certos dons, tais como predição de profecia ou línguas e sua interpretação, Wesley lamentou sua perda para os cristãos em geral. Em seu sermão, "O Caminho Mais Excelente", ele escreve: "A causa disto [do declínio dos dons espirituais, seguindo Constantino] não foi (como tem sido vulgarmente suposto) 'porque não houve mais oportunidade para eles', porque o mundo todo se tornara cristão. Este é um engano infeliz; nem a vigésima parte dele era, então, nominalmente cristã. A causa real foi que 'o amor de muitos', quase de todos os cristãos, assim chamados, foi 'se tornando frio'. Os cristãos não tinham mais do Espírito de Cristo do que os outros pagãos. O Filho do Homem, quando ele começou a examinar sua Igreja, dificilmente pôde 'encontrar fé sobre a terra'. Esta foi a causa real, porque os dons extraordinários do Espírito Santo não foram mais encontrados na Igreja Cristã; porque os cristãos se tornaram pagãos novamente, e tiveram apenas uma forma morta restante".

Obviamente, a implicação aqui é que, quando a igreja recupera seu primeiro amor, os dons do Espírito Santo são disponíveis para capacitar suas diversas partes, no ministrar efetivamente dentro de suas próprias esferas de influência. Embora o "caminho mais excelente" seja o caminho do amor, Wesley ainda insistiu que nós podemos 'ansiar sinceramente' por tais dons, como o do evangelismo, para "sondar o coração descrente"; ou o dom do conhecimento, para entender a providência e a graça de Deus; ou o dom da fé "que, em situações específicas... vai muito além do poder das causas naturais".  

Alguns argumentam que Wesley examinou algo ambivalente, algumas vezes, concernente a alguns dos dons mais "extraordinários", quando eles emergiram, no Reavivamento Evangélico do século XVIII (nenhuma dúvida preocupante, com respeito às acusações de "fanatismo" contra o povo chamado Metodista). No entanto, em pelo menos uma ocasião, Wesley defendeu os dons do Espírito. Em uma carta a Conyers Middleton, Wesley definiu, descreveu e defendeu toda a multidão de dons espirituais, incluindo: "(1) Expulsar demônios; (2) Falar novas línguas; (3) Escapar de perigos, nos quais, do contrário, eles deveriam perecer; (4) Curar; (5) Profetizar, predizer coisas; (6) Visões; (7) Sonhos premonitórios; (8) Discernir dos espíritos". Embora a ordem, e até mesmo a menção de alguns "dons", não normalmente associados com os relatos bíblicos (tais como visões e sonhos), possam parecer um tanto quanto estranhos, o fato permanece de que Wesley acreditou que os dons do Espírito Santo não eram apenas importantes, mas também ativos, durante o Reavivamento Evangélico do século XVIII.

Quando Middleton acusou "que o silêncio de todos os escritores apostólicos sobre o assunto dos dons deveria nos dispor a concluir que eles eram, então, introvertidos", Wesley imediatamente respondeu: "Ó, senhor, não mencione mais isto. Eu rogo a você que nunca mencione o silêncio deles novamente. Eles falam alto o suficiente para envergonhar você, por quanto tempo você viva".

"Dom da Cura"

Vamos examinar o dom da cura. Eu freqüentemente tenho dito que não é um pecado ser doente ou morrer. É, no entanto, um pecado para a doença e a morte seguir sem mudança, porque não existe alguém para orar.

Wesley acreditou claramente que o dom da cura penetrou no poder sobrenatural de Deus. Novamente, em resposta a insistência de Middleton de que nunca tinha sido provada a "cura miraculosa", Wesley respondeu: "Senhor, eu entendo bem você. A intenção do argumento é facilmente vista. Ela aponta para o Mestre, assim como para seus servos; e pretende provar que, depois de toda essa conversa, sobre curas milagrosas, nós não estamos certos de que existiu cura, alguma vez, no mundo. Mas isto não causará dano. Porque, embora nós concordemos: (1) Que alguns se recuperam, mesmo em casos aparentemente desesperadores; e (2) Que nós não sabemos, em caso algum, os limites precisos, entre a natureza e o milagre; ainda assim, não se segue, no entanto, que não possamos estar seguros de que nunca houve um milagre de cura no mundo. Para explicar isto, através de exemplo: Eu não sei precisamente, quão longe a natureza pode ir, no restaurar a vista ao cego; ainda assim, eu sei seguramente que, se um homem nasce cego, ele é restaurado na visão, através de uma palavra; e isto não é natureza, mas milagre".   

Tiago 5:14-16 exorta os cristãos a orarem pelo doente, e a ungi-lo com óleo. Certamente é bom saber que Wesley e as Escrituras estão do lado daqueles cuja única esperança para o ministério terreno está no assegurar "as armas com poder divino para demolir fortalezas". (2 Cor. 10:4).

"Expulsar Demônios"
Em um sermão pregado para o texto de (Marcos 1:21-28) "Depois, entraram em Cafarnaum, e, logo no sábado, foi ele ensinar na sinagoga. Maravilhavam-se da sua doutrina, porque os ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas. Não tardou que aparecesse na sinagoga um homem possesso de espírito imundo, o qual bradou: Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para perder-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus! Mas Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te e sai desse homem. Então, o espírito imundo, agitando-o violentamente e bradando em alta voz, saiu dele. Todos se admiraram, a ponto de perguntarem entre si: Que vem a ser isto? Uma nova doutrina! Com autoridade ele ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem! Então, correu célere a fama de Jesus em todas as direções, por toda a circunvizinhança da Galiléia"; no Seminário Teológico Evangélico, em Garrett, alguns anos atrás, eu lembrei os estudantes de que não era minha tarefa convencer alguém da existência de demônios; o primeiro compromisso deles usualmente cuidava deste assunto. Em vez disto, era minha tarefa ser fiel aos relatos bíblicos, quanto ao poder disponível para "demolir fortalezas", demoníacas ou diferentes. Wesley teria se agradado.
A carta escrita para Conyers Middleton é a mais definitiva afirmação sobre os dons do Espírito Santo (embora escrita, em um estilo de réplica e controvérsia, algumas vezes, confuso). Quanto ao dom de cura, Wesley faz referência tanto à Escritura, quanto à experiência.

Em seu sermão, "Uma precaução contra o Fanatismo", Wesley tenta estabelecer a fase bíblica e teológica para o "expulsar demônios".  Ele escreve: "Com o objetivo de ter uma visão mais clara disto, nós podemos nos lembrar que (de acordo com o relato bíblico), como Deus habita e opera nos filhos da luz, então, o diabo habita e opera nos filhos das trevas. Como o Espírito Santo possui as almas dos homens bons, então, o espírito do diabo possui as almas dos homens maus".

Como ele faz com respeito a todos os dons do Espírito Santo, Wesley responde a Middleton sobre o assunto do "livramento", aberta e claramente: "os testemunhos, concernente a isto são incontáveis, e tão claros quanto as palavras podem torná-los. Mostrar, no entanto, que todos esses significam nada, e que nunca existiu quaisquer demônios expulsos, afinal, nem através dos Apóstolos; nem desde os Apóstolos, (porque o argumento prova a ambos ou nenhum), é uma tarefa digna de você".

Middleton, então, reivindica que "esses que estiveram possuídos do demônio, podem ter estado doentes de doença degenerativa... sintomas comuns de uma epilepsia".  Quanto à "evidência de demônios, falando e respondendo a todas as questões", Middleton simplesmente encolhe os ombros. Ele considera esses, "através das artimanhas da impostura e perspicácia, entre as pessoas interessadas no ato".  A resposta de Wesley é direta: "Não se trata de alguma coisa extraordinária que os homens em ataques epiléticos sejam capazes de tanta artimanha e perspicácia?".

Para a acusação de Middleton, de que até mesmo os antepassados da igreja "foram tanto induzidos por seus preconceitos a dar crédito muito precipitado a essas possessões simuladas, ou levados, através do seu zelo, a apoiar a ilusão que era útil para a causa cristã" (um sentimento não desconhecido hoje), Wesley insistiu que "nenhum desses antepassados tiveram algum escrúpulo em usar do estilo hiperbólico (ou seja, em Inglês claro, de exorcizar) como o escritor eminente declara".

            Quanto a como estes "demônios" poderiam ser dominados, Wesley é inflexível: "Tudo isto, de fato, é obra de Deus. É Deus apenas que pode expulsar satanás. Mas Ele se agradou de fazer isto, através do homem, que diz, então, expulsar demônios em Seu nome, pelo Seu poder e autoridade, como um instrumento em Suas mãos. E Ele envia quem Ele irá enviar para esta grande obra; mas usualmente tal que o homem nunca teria pensado a respeito: Porque 'suas maneiras não são como as nossas; nem seus pensamentos como os nossos'. Assim sendo, ele escolhe o fraco para confundir o forte; o tolo para confundir o sábio; por esta razão clara, para que ele possa assegurar a glória para si mesmo; para que 'nenhuma carne possa gloriar-se a Seus olhos'".

"Falar em Línguas"

Embora não exista registro de que o próprio Wesley tenha falado em línguas, existe evidência de que ele acreditou que este dom do Espírito Santo foi um dom legítimo para a Igreja de qualquer época. Eu ofereço apenas duas citações de sua carta a Middleton.

Em resposta a Middleton, Wesley escreve: "Desde a Reforma, você diz, 'nunca se ouviu ou se pretendeu falar deste dom, através dos próprios Romanistas'. Mas será que ele foi pretendido (se merecidamente ou não), através de algum outro, embora não através dos Romanistas? Ele 'nunca foi ouvido', desde aquele tempo: Senhor, sua memória falha novamente: Ele indubitavelmente foi pretendido, e isto a nenhuma grande distância, quer do nosso tempo ou região. Ouviu-se, mais de uma vez, não muito distante dos vales de Dauphiny. Nem faz cinqüenta anos, desde que os habitantes protestantes desses vales, tão ruidosamente pretenderam este e outros poderes milagrosos, de maneira a causar muito distúrbio à própria Paris. E como foi que o rei da França refutou esta preensão e a impediu de ser ouvida? Não pela pena de seus sábios, mas, através das espadas e baionetas (uma maneira verdadeiramente pagã) de seus soldados".

Quanto à relevância do dom de línguas, para a igreja de qualquer época, Wesley, uma vez mais, responde a Middleton: "Todos esses [dons espirituais] são operados por um e o mesmo Espírito, distribuindo a cada homem individualmente, conforme Sua vontade; assim como para cada homem, também para cada Igreja, cada corpo coletivo de homens;… vendo que Ele, que opera como Ele deseja, pode, com sua [a de Middleton] licença, deixar o dom de línguas, onde Ele dá nenhum outro; e pode encontrar inúmeras razões para fazer isto, quer você e eu os veja ou não. Porque, talvez, não tenhamos sempre conhecido a mente do Senhor; nem sido alguns de seus conselheiros".

Nos podemos concluir este exame das visões de Wesley, sobre os dons do Espírito Santo, com a menção de sua defesa, quanto ao "ressuscitar o morto". Wesley objeta a insistência de Middleton, de que "não existe um exemplo disto [o ressuscitar o morto] a ser encontrado, nos três primeiros séculos".  Wesley cita Irenaeus, o influente bispo de Lion, no século dois: "Isto foi freqüentemente representado nas ocasiões necessárias; quando, através dos grandes jejuns e do reunir a súplica da igreja, o espírito da pessoa morta retornou a ele, e o homem voltou para as orações dos santos". Wesley, então, conclui: "Eu presumo que você queira dizer, que nenhum historiador pagão mencionou isto; porque os historiadores cristãos não foram. Eu respondo: (1) Não é provável que um historiador cristão tivesse relatado tal fato, tivesse ele sabido disto. (2) É igualmente improvável, que ele pudesse saber disto... especialmente considerando (3) que isto não foi designado para a conversão dos pagãos; mas, 'nas ocasiões necessárias', para o bem da igreja, e da comunidade cristã. Por fim: foi um milagre característico, acima de todos os outros, apoiar e confirmar os cristãos, que foram diariamente torturados e assassinados, mas sustentados pela esperança de obter uma ressurreição melhor".

Muitas vezes, os escritos de John Wesley nos lembram que Deus tem investido mais em nosso ministério do que nós. Deus torna o poder disponível (devem existir milhares de dons espirituais), para cada um de nós, para que possamos ministrar efetivamente dentro de nossas esferas de influência. Uma vez que nossas esferas são diferentes, nossos dons são diferentes. Eu não desejo seu dom, e você não anseia pelo meu; mas juntos somos o corpo de Cristo. Que Deus se levante!

Robert G. Tuttle Jr. é:  * professor de evangelismo na E. Stanley Jones School of World Missions and Evangelism at Asbury Theological Seminary in Wilmore, Kentucky.

2 comentários:

  1. A Paz de Cristo, conhecer seu blog alegrou meu coração. Suas mensagens são edificantes para o Corpo de Cristo, e um bálsamo para todos que acessam esse espaço abençoado.

    Como prova do meu amor cristão deixo uma lembrancinha que fiz, espero que goste do acróstico:

    C ultivar uma vida de oração.
    R evigorar-se pela leitura diária da Palavra.
    E star sempre disposto a obedecer a Deus.
    S er uma testemunha fiel no viver e no falar.
    C onsagrar a Deus seu corpo, tempo e talentos.
    E sperar de Deus a orientação para a vida.
    R evestir-se do poder do Espírito Santo.

    Nós precisamos CRESCER na Graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

    A propósito, caso ainda não esteja seguindo o meu blog, deixo o convite.
    http://frutodoespirito9.blogspot.com/

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    P.S. Convido a visitar o blog do irmão J.C. repleto de mensagens abençoadoras; algumas polêmicas, porém ricas de entendimento.

    Acesse:
    http://discipulodecristo7.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Que lindo comentário minha irmã, agradeço suas palavras e rogo suas oracoes a meu favor...vou ver os blogs sim pode deixar...a paz!

    ResponderExcluir